terça-feira, 19 de janeiro de 2010

ZERO

Estava eu tendo uma DR com a Helena e de repente veio uma inspiração, entao resolvi escrever (já que estudar não tá rolando mesmo...)

Eu descobri que sou puta. Afinal, se seguir meus instintos e realizar minhas vontades é ser puta, eu quero mesmo é ser puta e gritar orgulhosa "EU SOU PUUTAA!" com um sorriso de orelha a orelha.
A sociedade nos faz crer que quem beija muitas pessoas, transa com muitas pessoas, come comidas muito calóricas está comentendo um pecado (e quem é que define quantos são 'muitos'?).

Antigamente casava-se virgem e com muuuuuuuita sorte se era bem-comida. Hoje em dia é possível provar diversos sabores para descobrir do que se gosta e então poder ESCOLHER o que mais lhe grada.

Eu mesma, a puta que vos fala, pensava em casar virgem. HA HA HA! Se eu tivesse casado com o guri que eu perdi a virgindade estaria mal-comida e triste pro resto da vida - afinal divórcio também não pega lá muito bem perante a sociedade.

Ainda bem que eu tive oportunidade de descobrir do que eu gosto e não gosto, ter novas experiências e outros parceiros (muitos ou não, que diferença faz? desde quando mulher é como carro, que quanto menos km rodados melhor é?)... Assim pude ME CONHECER e fazer mais POR MIM.

No começo eu me sentia culpada, tinha uma lista dos guris que tinha beijado, das comidas que eu deveria evitar, do dinheiro que eu deveria guardar. Me sentia mal, eram números expressivos. Rasguei a lista, parei de contar e beijo, como e gasto o que me der vontade a hora que me der vontade. E poucas coisas são tão gostosas como uma vida livre de números.

Claro, todos temos limites e eu, graças às minhas ''putarias'' - no melhor sentido da palavra - sei bem quais são os meus. O importante é estarmos de acordo com eles e não com os dos outros. Os outros que cuidem da vida deles, os meus números-não-contabilizados dizem respeito só a mim.E não pensem que parei de contar só os "quilômetros rodados", o dinheiro não investido e os sabores perdidos. Parei de contar tudo que não fosse acrescentar conteúdo na minha vida, tudo que não fosse me fazer mais feliz.

Não sei quantos quilos falta para eu chegar no meu peso ideal. Me olho no espelho e decido se eu quero cuidar melhor da alimentação ou simplesmente não estou afim de abrir mão do brigadeiro num domingo a tarde. Não tenho nem ideia de quantas calorias tem o sorvete da zumzum que eu como diariamente. Nem penso no valor calórico do meu big mac. Não sei quantos guris eu já beijei. Nem imagino quantos litros de água eu gasto no banho (eu tomo rápido por questões óbvias vindo de uma bióloga, mas eu sei que não importa quanto eu gaste a menos do que os outros, ainda vou achar que poderia gastar menos e viraria neurótica). Não faço idéia de quantas horas minha mãe e meu pai precisam trabalhar só para me manter aqui em Pelotas. São números que me fariam sentir culpada, que provocariam agústias. E de angustiante já chega o futuro incerto, a dor-de-cotovelo, o Grêmio que leva dois gols do Pelotas e ganha sofrido de virada.

5 comentários:

  1. P.S: eu sei que meus pais batalham muuuuuuuuito pra me garantir uma vida boa e um estudo de qualidade e eu faço por merecer. Sei que pesa no orçamento, só que quanto mais eu penso nos valores concretos, mais dói e menos eu consigo me preocupar com meus estudos, pq fico pensando no dinheiro deles. Então prefiro abstrair e me dedicar, pra ser um bom nvestimento no final das contas.

    ResponderExcluir
  2. pô, tomara que o guri que tiro tua virgindade nao leia isso auqi ne! iahiuehaiuhaeihae
    adorei o texto.. eu tbm nao aguento esses numeros, mas eu ainda nao sei viver tao bem quanto tu sem eles.. :( mas eu consigo, relaaxxxaaa :) hehe
    besos fofis!!!
    (ah, ja que estuda nao tá rolando meeeesmo.. :T)

    ResponderExcluir
  3. gostei do desabafo!
    e eu gosto dessa cássia ai, não ia gostar se não fosse assim.

    ResponderExcluir
  4. cássia jah é sinônimo de espontaneidade! bem isso que o fernando comento... eu gosto dessa cássia pq se fosse diferente não seria vc!
    :)
    e tu tem me ensinado a ser mais "relax" hehehe

    amoooo

    ResponderExcluir
  5. Como pudemos perceber em nossa DR, também sou puta, putíssima! Ou quase isso :) Massa!
    Pois é, como a camila falou, eu tbm não consigo me desvencilhar de alguns números porque simplesmente não posso, não tem como, eu vou morrer de fome se não me ligar nisso.
    E com eu te disse, como seria bom viver sem eles todos! Como seria bom se todas essas coisas que a gente conta fossem naturais e desimportantes. Que bom seria se fosse banal contar. Quanto menos tu conta, mais a vida se enche de poesia! Isso e fato. Deve ser por isso que os ricos apreciam muito mais arte... deve fazer mais sentido pra quem tem sempre o que comer, com nós.
    Não conta, MESMO. Sempre que tu puder, não conta! Ainda mais guris, que coisa bem superficial... vamos perder as contas da contas!
    A única coisa, que eu já te disse, é que as nossas preocupações com o mundo passam pelos números esses. Mas aí a gente se distrai e abstrai, sempre que pode. E enfrenta quando tem que enfrentar :)
    E o fernando tá certíssimo. Tu é maravilhosa, do jeito complexo, desajeitado, profundo e encucado. Exatamente.

    ResponderExcluir